Por Infogr.am

Sai a intuição, entra a matemática

A pirâmide invertida do jornalismo de dados, e a importância crescente do 'visual' na matéria final.

julho 18, 2012

A entrada do jornalismo na era multiplataforma mudou para sempre sua essência. A mudança é tamanha, que mesmo a pirâmide invertida  deixou de ter a importância de sempre e vale apenas até o momento em que a matéria fica pronta. Na hora de comunicá-la usando as plataformas digitais, a pirâmide se inverte. E o visual cada vez mais passa a ter mais peso no resultado final.

(imagem: Paul Bradshaw | OnlineJournalism Blog)

Neste cenário, uma nova forma de se fazer jornalismo vem crescendo e, segundo a jornalista argentina Sandra Crucianelli, que coordena um grupo de trabalho sobre o tema, no La Nacion, está se tornando uma disciplina de especialização: é o jornalismo de dados. Trata-se de uma nova técnica de investigação, cujo resultado está calcado em variáveis quantitativas e qualitativas aplicadas a um modelo matemático. No meio de tantos dados (big data), um padrão de comportamento ou sua mudança vai gerar a conclusão, ou seja, a notícia. Ou como explica o jornalista inglês Paul Bradshaw, uma das maiores autoridades mundiais no tema:

O jornalismo de dados começa de duas maneiras: ou você tem uma questão que necessita de números para explicá-la ou um conjunto de dados que precisam ser confrontados. Seja como for, é a compilação de dados que o define como jornalismo de dados.

Esta nova modalidade de investigação, cruzamento de dados e conclusões sobre um determinado assunto está mudando o esteriótipo do jornalista de veículo impresso – antes solitário em sua busca por um furo jornalístico, hoje uma equipe multidisciplinar, que envolve não somente jornalistas, mas programadores, analistas de sistemas e designers. O jornalismo de dados caminha mais perto das ciências exatas, fazendo, inclusive, a matemática ser integrada à grade em cursos de jornalismo mundo afora. O desafio de permitir aos novos profissionais entenderem como tirar proveito dos números pode ser a grande diferença entre o jornalismo ensinado e praticado antes e depois da internet e das redes sociais. Acompanhe, a seguir, algumas das ferramentas que passaram a integrar o cotidiano dos jornalistas:

 

Escrito por Vany Laube

Corporate communication consultant, following enthusiastically the effects of technology and the internet in this area. Nominated for the 8th Women's Press Award, for the work done on her blog Mosaico Social. Keynote speaker and Social Media strategist, she's only one Google away.

Siga:
Comentários